Responsive Slider

Fitomedicamento


Uso seguro de plantas medicinais


As plantas medicinais não são isentas de risco, ao contrário do pensamento popular. Por isso, deve-se consultar um profissional de saúde experiente ou fitoterapeuta para usa-las com segurança.

Algumas plantas têm efeito tóxico agudo, outras são cumulativas e têm ação tóxica retardada. Algumas podem produzir complicações hepáticas, pulmonares e no sistema nervoso central. Além disso, elas podem interagir com outros tipos de medicações e são passíveis de contaminação no cultivo, por agrotóxicos e metais pesados.

Portanto, a utilização de plantas medicinais em feridas deve ser feita com critérios que vão desde a escolha correta da planta e da sua procedência, até a parte a ser utilizada e a identificação correta do tipo de lesão, quadro clínico e sintomas. Além desses cuidados, devemos:

- Na colheita, preservar a planta mãe, o meio ambiente e o ecossistema;

- Valorizar o conhecimento popular sobre as plantas;

- Utilizar plantas conhecidas e pesquisadas;

- Saber identificar a planta;

- Conhecer as plantas tóxicas ou partes tóxicas das plantas;

- Colher nas primeiras horas da manhã;

- Colher plantas frescas com bom aspecto;

- Não colher próximo de estradas, valas, lixo, animais e água contaminada;

- Obter a planta de um fornecedor idôneo;

- Plantas secas não devem apresentar sinais de deterioração (mofo, fungos, umidade);

- Preparar adequadamente a formulação e o procedimento;

- No preparo, observar dosagem e forma de uso;

- Usar dosagem moderada, evitar excessos e uso contínuo;

- Uma planta recomendada para uso externo não deve ser usada internamente;

- Não usar nenhum tipo de medicamento ou plantas durante a gravidez, principalmente nos três primeiros meses, sem recomendação e acompanhamento médico.



Veja mais:


Uso de plantas medicinais no cuidado de feridas
Barbatimão
Legislação Específica
Uso seguro de plantas medicinais